Avarin

"Os avari eram aqueles elfos que permaneceram contentes com a Terra-média e recusaram os chamados dos Poderes; mas eles e suas muitas línguas secretas não dizem respeito a este livro", Tolkien escreveu em uma versão antiga do Apêndice sobre idiomas que ele estava preparando para o SdA (PM: 29-30).

Isto significa que alguns avari desenvolveram deliberadamente ou até mesmo construíram novos idiomas com o propósito de mantê-los em segredo? Mas algumas das línguas avarin eram evidentemente similares às Eldarin: Felagund interpretou rapidamente o idioma do povo de Bëor, e uma razão pela qual ele foi capaz de fazer isto foi de que "estes homens lidavam há muito com os elfos-escuros a leste das montanhas e com eles aprenderam grande parte da sua fala. E, como todas as línguas dos quendi tinham uma única origem, a língua de Bëor e seu povo lembrava o idioma élfico em muitas palavras e construções" (Silmarillion cap. 17). De fato é dito que "no norte e oeste do Velho Mundo [os homens] aprenderam idiomas direta e completamente criados pelos elfos que os auxiliaram em sua infância e nas primeiras viagens" (PM: 30), e Faramir até afirmou que "toda a fala dos homens neste mundo é élfica em origem" (WR: 159, PM: 63). Nos dias antigos, esta influência élfica nas línguas dos homens só podia vir do avarin.

Mesmo os anões parecem ter adotado algumas palavras dos elfos não-Elda, provavelmente muito antes de encontra- rem os Eldar em Beleriand. Em WJ: 391, Tolkien afirma que "o nome anão para os orcs, rukhs pl. rakhâs, parece mostrar uma afinidade com os nomes élficos, e possivelmente foi derivado a partir do avarin". É dito que, nas línguas avarin (assim como nos idiomas Eldarin), havia muitos derivados do radical primitivo RUKU, a fonte das palavras em quenya e em sindarin para "orc". -WJ: 389.

O interesse de Tolkien estava situado no ramo Eldarin da família de idiomas élficos, e parece que ele deixou as línguas avarin virtualmente inexploradas. As únicas formas avarin reais que são citadas no material publicado, e muito possivel- mente todas as formas que Tolkien já mencionou, são seis descendentes da palavra primitiva kwendî (daí a palavra em quenya quendi) que são listadas em WJ: 410: kindi, cuind, hwenti, windan, kinn-lai e penni. (É dito que descendentes da palavra primitiva kwendî eram "freqüentemente encontradas" em línguas avarin.) Estas formas avarin são ditas serem "citadas pelos Mestres [Eldarin?] de tradições", que evidentemente tinham algum interesse científico nos idiomas avarin. Cada uma dessas formas pertence a uma língua avarin separada, de modo que, pelo menos, haveria seis destes idiomas, e provavelmente muitos mais (de acordo com WJ: 410, os dialetos avarin "eram numerosos, e freqüentemente tão amplamente separadas uns dos outros quanto o eram das formas Eldarin da fala élfica"). Estas palavras avarin na verdade não significam exatamente o mesmo que seu cognato em quenya quendi, isto é, "elfos em geral". Elas eram os nomes que os avari deram a si mesmos. Observa Tolkien, "eles evidentemente continuaram a chamar a si mesmos de *kwendî, ‘o povo’, se referindo àqueles que partiram [isto é, os Eldar] como desertores."

Ao comparar as formas que Tolkien menciona com a forma primitiva *kwendî, conseguimos o que podem ser os únicos vislumbres das mudanças sonoras avarin que jamais teremos:
 – Kindi perdeu o w e mudou o e para i, talvez por assimilar a desinência de plural –i, que também nos diz que as vogais finais longas originais se tornaram curtas (como em quenya; cf. também hwenti e penni abaixo).
 – Cuind (é significante o fato de que Tolkien usa c ao invés de k?) transformou a semi-vogal original w em uma vogal plena u. A desinência original se perdeu. O i é apenas uma forma posterior da vogal original e, ou é um infixo plural (talvez algum tipo de metafonia causada pela desinência de plural –î antes que esta fosse perdida?) O singular pode ser *cund??? (< *kuend < *kwend < kwende?)
 – Hwenti mostra uma mudança kw > hw e d > t, e o –î final longo original se tornou -i curto (como em kindi acima e penni abaixo). Se hw indica o mesmo som como em quenya (w mudo, como o wh inglês em dialetos onde which é distinto de forma audível de witch), este hw pode ser o produto de [x] (isto é, ach-Laut alemão) em contato com [w]. Talvez este ramo do avarin transformou as oclusivas mudas originais em fricativas, como [k] > [x], e tornou mudas as oclusivas sonoras originais, como [d] > [t].
 – Windan perdeu o k inicial original, transformou e em i e aparentemente fortaleceu o –e original do sing. primitivo kwende para –a. Este idioma avarin parece ter introduzido uma nova desinência de plural, –n, não diretamente originada a partir do –î original. Ela provavelmente é produzida a partir de elemento plural –m que ocorria no idioma primitivo (veja LR: 360, radical ). Alguns dos casos do quenya também mostram o –n plural; ex: a desinência de locativo plural –ssen; esta também deve vir do –m primitivo.
 – Kinn-lai pode vir de um idioma avarin estritamente relacionado àquele que possui kindi (acima); observamos a mesma mudança kwe– > ki. Aqui também temos a assimilação nd > nn. O último elemento, lai, certamente não é derivado da desinência de plural primitiva –î. Ao invés disso, ele deve estar relacionado com a palavra em quenya lië "povo"; assim, "povo-kinn". O radical LI, a fonte da palavra em quenya lië, pode ter produzido lai por infixação- A (bem atestado no idioma primitivo).
 – Penni é uma forma que é salientada como especialmente interessante por Tolkien. Ela mostra a mesma mudança kw > p como em telerin comum (de onde surgiu o sindarin e o telerin de Aman), sugerindo "que ela já ocorria entre os lindar [teleri] antes da Separação" (WJ: 410). De outra forma, vemos a mesma assimilação nd > nn como em kinn-lai, enquanto que uma descendente da desinência de plural primitiva –î ainda está presente, embora tenha se tornado curta como em kindi e hwenti. Tolkien nos informa que "a forma penni é citada como vindo da fala ‘élfica-dos-bosques’ do Vale do Anduin".

Fora isto, há muito pouco. O nome do elfo-escuro Eöl, que não pode ser analisado (WJ: 320), pode ser Avarin. É dito que, embora os clãs originais ainda serem lembrados entre os avari, "não há registro deles usando o nome ñoldo [isto é, qualquer descendente direto da palavra primitiva ñgolodô] em qualquer forma avarin reconhecível" (WJ: 381).

Aqueles que desejam começar alguma "fanfic" podem começar construindo os idiomas avarin aos quais as palavras Kindi, Cuind etc. pertencem, produzindo-os a partir do quendian primitivo de Tolkien.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um site Valinor