Um gosto de Élfico

Tolkien uma vez afirmou que havia “provado” alguns idiomas ao invés de estudá-los (MC: 192). Para fornecer uma “gosto” de élfico, reuni alguns itens de vocabulário tanto de quenya como de sindarin, agrupando eles em várias categorias. Isto deve ca- pacitar estudantes em potencial para avaliar o estilo destes idiomas e talvez mesmo sentir a fusão de som e significado que tan- to deleitava Tolkien. É claro, esta lista também pode ser de ajuda para se adquirir algum vocabulário básico. Mas temo que ainda levará muito tempo até vermos um léxico élfico completo!

I: VOCABULÁRIO SELECIONADO DE QUENYA

PESSOAS: quendë “elfo” (mas esta é uma palavra técnica geralmente substituída por Elda, que se refere estritamente apenas aos elfos não avari), Atan “homem (mortal)” (mas este termo veio a ser associado primeiramente com as Três Casas dos Eda- in), firya e fírima “mortal”, Nauco “anão” (também Casar, de Khazâd na língua anã), picinauco ou pityanauco “anão pe- queno”, orco ou urco “orc”. Termos gerais (presumidamente) aplicáveis a todas as raças: quén “pessoa” (pl. queni), nér “homem” (pl. neri; cf. também vëo ou vëaner = “homem adulto”), nís ou nissë “mulher” (pl. nissi), hína “criança”, lapsë “bebê”, seldo *”menino” (?), wendë posteriormente vendë “donzela, menina”. Um “povo” como um todo é chamado de lië (assim, Eldalië = o povo dos elfos).

A FAMÍLIA: verno “marido”, vessë “esposa”, indis “noiva” (algumas vezes usada para “esposa”), atar “pai” (atto = *”papai”), amil ou ammë “mãe” (mamil = *”mamãe”), yondo “filho”, yeldë “filha” (mudada para yendë no Etimologias, mas material tardio pode sugerir que Tolkien restaurou yeldë), toron “irmão” (pl. torni), onónë ou seler “irmã” (pl. selli), indyo “neto, descendente”, onóna “gêmeo” (pl. ónoni). Além da palavra para “irmão” listada acima, há também otorno “irmão de coração, companheiro” (a forma feminina parece ser osellë, lista “irmã, companheira”).

ANIMAIS: palavra geral celva “animal que se move”, cf. também laman (usada para animais quadrúpedes, e não para insetos ou répteis), andamunda “elefante”, huo “cão” (ronyo “cão de caça”), hyalma “ostra, concha” (pelo menos tecnicamente um animal e não uma planta!), leuca “cobra” (também ango pl. angwi), lingwë “peixe” (hala “peixe pequeno”), lókë “verme, dragão” (também a forma mais longa angulókë; cf. também rámalókë “dragão alado”, urulókë “dragão de fogo”, lingwilókë “serpente do mar”), máma “carneiro”, morco “urso”, mundo “boi” (esta palavra também pode significar “focinho”), *nyaro “rato” (traduzida errada como “nyano” no LR: 379), “leão” (pl. rávi), ráca e narmo “lobo” (nauro “lobisomem”), rocco “cavalo”, rusco “raposa”, wilwarin “borboleta”. Material mais antigo possui mëoi “gato”, mas esta palavra parece estranha em quenya maduro (nenhum outra palavra no singular termina em –oi). Uma fonte antiga também possui nion ou nier para “abe- lha”, noldarë ou nolpa para “toupeira” e yaxë (ou yaxi) para “vaca”. Pássaros: aiwë ou filit “(pequeno) pássaro” (pl. filici), alqua “cisne”, ammalë um pássaro amarelo”, cu ou cua “pombo”, halatir ou halatirno “martim-pescador”, lindo “cantor” (pássaro canoro), lómelindë “rouxinol” (a saber tindómerel = sindarin tinúviel), maiwë “gaivota”, soron ou sornë “águia”, tambaro “pica-pau”, tuilindo “andorinha”, quáco “corvo” (também corco).

PLANTAS: olva “planta”, uilë “longa planta rasteira, especialmente alga marinha” (que é explicitamente ëaruilë), salquë “grama”, sara “grama seca”, lassë “folha”, olwa “ramo, galho”, tussa “arbusto”, hwan “esponja, fungo”, lótë “flor”, lossë “flor (de árvore)” (geralmente branca), nieninquë “fura-neve”, asëa aranion “athelas, folha-do-rei”. Árvores: alda “árvore”, ornë “árvore” (menor e mais delgada como uma bétula), alalmë “olmo”, feren “faia”, ercassë “azevinho”, malinornë “mallorn”, norno “carvalho”, tasar ou tasarë “salgueiro”, tyulussë “choupo, álamo”. (Ver também a Botânica de David Salo abrangendo o “qenya” mais primitivo de Tolkien.)

METAIS, SUBSTÂNCIAS, ELEMENTOS: erma, orma e hröa “matéria (física)”, tinco ou rauta “metal”, malta “ouro” (também na forma poética cullo “ouro vermelho”), telpë ou tyelpë “prata”, anga “ferro”, cemen “terra, solo”, nén “água”, nárë “chama, fogo”, vilya, wilma ou wista “ar”, lossë “neve”, helcë “gelo”, litsë “areia”, asto “pó”, ondo “pedra” (como material, mas também usada = rocha), rossë “orvalho”, hrávë “carne”, sercë “sangue” (também yár), hyellë “vidro”, “lã”, fallë “espuma”.

PARTES DO CORPO: cár “cabeça”, loxë ou findë “cabelo” (o termo para uma cabeleira é findessë), anta “face, rosto”, hén “olho” (pl. hendi, ou o dual hendu), lár “par de orelhas”, nengwë “nariz”, anto “boca”,“lábio” (assim de acordo com uma fonte tardia; no Etimologias, a palavra era “boca”), nelet “dente” (pl. nelci), lamba “língua” (mas “língua” = idioma é lambë), fanga “barba”, lanco “garganta”, yat (yaht-) “pescoço”, hón “coração (físico)” (indo = coração simbólico), ranco “braço” (pl. ranqui), “mão”, cambë “palma da mão”, quárë “punho”, lepsë “dedo”, tiuco “coxa”, telco “perna” (pl. telqui), tál “pé”, tallunë “sola do pé”, axo “osso”. Material mais antigo também possui ólemë “cotovelo” e aldamo “costas”. A palavra para o corpo inteiro é hröa (também usada = “matéria física”). Em algum lugar deve haver um envelope lacrado contendo um pedaço de papel com as designações élficas dos órgãos genitais, furtivamente colocado por Tolkien atrás de portas trancadas.

ALGUNS TÍTULOS E PROFISSÕES: aran “rei”, tári “rainha”, cundu “príncipe”, aranel “princesa”, heru “senhor”, heri “senhora”, arquen “um nobre”, aryon ou haryon “herdeiro”, roquen “cavaleiro”, cáno “comandante”, tercáno “arauto”, istyar “erudito”, sairon “mago” (mas Gandalf era um istar), ingólemo “sábio”, lambengolmo “mestre da tradição das línguas” (linguista), tano “artesão, ferreiro”, quentaro “narrador”, samno “carpinteiro, artífice, construtor”, tyaro “realizador, ator, agente”, cemnaro ou centano “oleiro”. (Veja o tópico Guerra e Armamento para “guerreiro” e “lanceiro”.)

COMIDA: apsa “comida cozida, carne”, masta “pão”, sáva “suco”, pirya “caldo, xarope”, lís “mel” (liss-), yávë “fruta”, porë “farinha de trigo”, culuma “laranja”, sulca “raiz comestível”, coimas “lembas”, miruvórë uma bebida servida nos festivais em Valinor (traduzida “hidromel” no Namárië), limpë “vinho, bebida dos Valar”. Material mais antigo também apresenta sulpa “sopa”, pio “ameixa, cereja”, piucca “baga, frutinha” (ou especificamente “amora”) e tyuru “queijo”.

TERMOS GEOGRÁFICOS: nórë “terra”, nórië “país”, arda “reino, uma terra ou região em particular”, ména “região”, men “lugar”, réna “fronteira”, peler “campo cercado”, panda “cercado”, oron “montanha” (pl. oronti), rassë e tildë “pico, chifre”, ambo “colina”, cilya “fenda”, nandë “vale”, tumbo “vale profundo, sob ou entre colinas”, yáwë “ravina, desfiladeiro, golfo”, pendë “encosta, declive”, mallë “estrada, rua” (pl. maller), tië “caminho”, taurë “grande bosque, floresta”, ehtelë “fonte, nascente de água”, ailin “lagoa, lago” (também linya), ringë “lagoa ou lago gelado (em montanhas)”, sírë “rio”, nellë “riacho”, hópa “porto”, hresta ou hyapat “costa”, falassë “praia”, ëar “mar”, celma “canal”, tol “ilha” (pl. tolli; “tolle” em LR:394 é evidentemente um erro), lóna “ilha, terra remota”. Direções: Formen “norte”, Hyarmen “sul”, Númen “oeste”, Rómen “leste”.

CLIMA: mistë “chuva fina”, fanya “nuvem”, lumbo “nuvem (escura, ameaçadora”, súrë e vaiwa “vento”, árë “luz do sol”, hísë e hísië “neblina, bruma”, raumo “(barulho de uma) tempestade”, nixë “geada”. Material mais antigo possui lúrë “clima sombrio” e o adjetivo correspondente lúrëa “escuro, nublado”.

OBJETOS CELESTIAIS: Anar “sol” (também chamado Naira e Vása), Isil “lua” (também chamada Rána), elen (poética él) “estrela” (também tinwë e nillë, às vezes com significados específicos), tingilyë ou tingilindë “estrela cintilante”. Planetas: Eärendil “Vênus”, Carnil “Marte”, Alcarinquë “Júpiter” (e mais experimentalmente Nénar “Netuno”, Luinil “Urano” e Lumbar “Saturno”). Constelações: Telumehtar ou Menelmacar “Espadachim do Céu” = Órion, Valacirca “Foice dos Valar” = Ursa Maior, Wilwarin “Borboleta” = Cassiopéia (?). Algumas outras constelações são citadas, mas são difíceis de se identificar. A palavra geral para “céu, os céus”: menel (também hellë). Cf. também fanyarë “céus e ares superiores”.

MÚSICA, POESIA, INSTRUMENTOS, MÚSICOS: lindalë ou lindelë “música”, lírë “canção”, lairë “poema” (não confundir com o significado homófono “verão”), nainië “um lamento”, verbo lir– “cantar, entoar”, verbo nanda– “tocar harpa”, substantivo nandë “harpa” (nandellë “pequena harpa”), nandaro “harpista”, nyello “cantor” (também lindo, mas isto também é usado para pássaros), nyellë “sino”. Material mais antigo também possui salma “lira”.

GUERRA E ARMAMENTO: ohta “guerra”, verbo ohtacar– “guerrear”, verbo mahta– “brandir uma arma, lutar”, ohtar, ohtatyaro e mahtar “guerreiro”, ehtyar “lanceiro”, cotumo “inimigo”, macil “espada”, lango “espada larga”, ecet “pequena espada de lâmina larga”, sicil “adaga, faca”, quinga “arco” (também ), pilin “flecha” (pl. pilindi), nehtë “ponta de lança”, ehtë ou ecco “lança”, turma “escudo”, cassa ou carma “elmo”. Material mais antigo possui hossë “exército”.

ARQUITETURA: ataquë “construção, edificação”, coa “casa” (também car, card-), ampano “edifício, salão de madeira”, ando “portão” (andon “grande portão”), fenda “soleira”, sambë “quarto, câmara”, caimasan “quarto de domir” (pl. caimasambi), tópa “teto, telhado”, talan “chão, assoalho” (pl. talami), ramba “muralha”, mindo “torre (isolada)” (mindon “grande torre”), osto “cidade, geralmente com muralha ao redor”, opelë “casa ou vila murada”, hróta “habitação subterrânea, caverna artificial ou salão escavado em rocha”, telma “o último item em uma estrutura” (como uma pedra de cumeeira, ou um pináculo superior).

TEMPO: “uma época, ocasião”, lúmë “tempo, hora”, vanwië “o passado”, yárë “dias anteriores”, yalúmë “épocas passa- das”, aurë “dia” (também arë), lómë “noite” (mas à vezes usado = “crepúsculo”; outros termos para “noite” incluem , mórë e Hui/Fui), ára “aurora”, arin “manhã”, arië “dia claro”, sinyë “entardecer”, tindómë e undómë “crepúsculo” (próximo à auro- ra e próximo ao entardecer, respectivamente), anarórë “nascer do sol”, núro ou andúnë “pôr-do-sol”, asta “mês”, loa “ano” (astronomicamente falando, chamado coranar “ciclo solar”), yén “longo ano” (“século” élfico de 144 anos solares), randa “ciclo, era”. Estações: coirë “agitação” (início da primavera), tuilë *”florescer” (final da primavera), lairë “verão” (não confun- dir com a palavra que significa “poema”; veja acima), yávië “colheita” (início do outono), quellë “dissipação” (final do outono), hrívë “inverno”. Para “outono”, as palavras lasselanta “queda das folhas” e lassewinta *”dispersão das folhas” também eram usadas. Meses: Narvinyë “janeiro”, Nénimë “fevereiro”, Súlimë “março”, Víressë “abril”, Lótessë “maio”, Nárië “junho”, Cermië “julho”, Úrimë “agosto”, Yavannië “setembro”, Narquelië “outubro”, Hísimë “novembro”, Ringarë “dezembro”.

NÚMEROS: minë 1, atta 2, neldë 3, canta 4, lempë 5, enquë 6, otso 7, tolto 8, nertë 9, cainen 10, minquë 11. Para 12 apenas o radical RÁSAT é dado, mas é geralmente consenso que a palavra em quenya deva ser *rasta. Números maiores são incertos. A palavra haranyë, o último ano em um século, pode significar literalmente “centésimo primeiro”, apontando para *haranya como a palavra para “centésimo” e talvez *haran (*harna?) como a palavra para “cem”. A palavra em sindarin host significa “grosa”, 144, o primeiro número de três dígitos no sistema de contagem duodecimal élfico, mas o cognato em quenya hosta é definido simplesmente como “número grande”.

CORES: carnë “vermelho”, culuina “laranja” (apenas adj. – a fruta é chamada culuma!), fána ou fánë “branco” (como nuvens), helwa “azul claro”, laiqua “verde”, laurëa “dourado”, lossë “branco como a neve” (também é o substantivo “neve”), luin “azul”, malina “amarelo”, morë ou morna “preto”, ninquë “branco”, silma “prateado, branco brilhante”, sindë (ou sinda) “cinza”, varnë “marrom (escuro)”. Os vanyar também usavam algumas palavras para cores adotadas do valarin: ezel ou ezella “verde”, nasar “vermelho”, ulban “azul”, tulca “amarelo”. Estas aparentemente não estavam em uso entre os noldor.

ALGUNS ADJETIVOS COMUNS: vanya ou vanima “belo, lindo” (também linda), mára “útil, bom” (de coisas), raica “errado, torto”, ulca ou úmëa “mau”, halla “alto”, anda “longo”, sinta “curto”, alta “grande” (em tamanho), úra “largo”, úvëa “muito largo, abundante”, titta “pequenino”, pitya *”pequeno”, parca “seco”, mixa “molhado”, arca “estreito”, nindë “delga- do”, (também teren), tiuca “grosso, gordo”, lunga “pesado”, lissë “doce”, sára “amargo”, quanta “cheio”, lusta “vazio”, lauca “quente”, ringa (ou ringë) “frio”, forya “direito”, hyarya “esquerdo”, vinya “novo” (também sinya), yerna “velho, usado” (de coisas), nessa “jovem”, linyenwa “velho” (lit. “tendo muitos anos”; esta palavra não indica fraqueza, uma vez que os elfos eram imortais), cuina “vivo”, coirëa “vivente”, qualin “morto” (mas firin, com referência à morte natural dos mortais).

ALGUNS VERBOS COMUNS: car– “fazer, criar”, harya– “possuir, *ter”, cen– “ver”, hlar– “ouvir”, ista– “saber” (pretérito sintë), lelya– “ir” (pretérito lendë), mat– “comer”, mer– “desejar, querer”, móta– “trabalhar”, tul– “vir”, quet– “falar”, hir– “encontrar”, anta– “dar”, mel– “amar” (como amigo), sil– “brilhar”.

PREPOSIÇÕES: amba, ama “para cima”, an “para, a”, ana “para, em direção a” (também na), apa “depois de”,ara “ao lado de, fora de”, arta “através de” (atestado apenas em material mais antigo), arwa “*com” (seguida por genitivo), enga “salvo, *exceto”, et “fora de” (seguida por ablativo), hequa “exceto, a não ser”, ho “de, proveniente de” (o ponto de vista do falante estando de fora do lugar de onde partiu), imbë “entre”, mi “em” (“no”), mir ou minna “para dentro de”, na “para, em direção de” (também ana), nu “sob, abaixo de” (também no), undu “abaixo, sob, debaixo”, or “sobre”, ter, terë “através, por meio de”, ve “como”, yo *”com” (?). Carecemos especialmente de uma palavra para “antes”.

II: VOCABULÁRIO SELECIONADO DE SINDARIN

Nota: em “noldorin”, o idoma que Tolkien revisou para produzir o sindarin, muitas palavras mostravam lh– e rh– iniciais, isto é, L e R  mudos. Eventualmente, Tolkien revisou a fonologia histórica, e em sindarin, como sabemos a partir do SdA e de fontes tardias, a maioria das palavras “noldorin” em lh– e rh– devem possuir l– e r– normais. Compare, por exemplo, a palavra “noldorin” lham “língua” (LR: 367 s.v. LAM) com a palavra em sindarin maduro lam (WJ: 394). As palavras “noldorin” listadas abaixo foram alteradas para se adequarem com a última visão de Tolkien da fonologia sindarin, e lh- e rh– são mantidos apenas onde estes sons possuem um lugar apropriado em sindarin maduro (ex: em rhaw “carne”).

PESSOAS: Edhel “elfo” (de Eledh mais antigo), Adan “homem (mortal)” (pl. Edain – mas este termo veio a ser associado primeiramente com os homens das Três Casas), Fíreb “mortal”, Nogoth “anão” (também Norn, mas o povo como um todo era geralmente chamado Naugrim), nibin-naug “anão-pequeno”, orch “orc”. Termos gerais (presumidamente) aplicáveis a todas as raças: benn “homem” (propriamente “marido”, mas a palavra adquiriu um sentido geral e substiutiu a palavra mais antiga dîr), bess “mulher” (propriamente “esposa”, substituindo de forma similar a palavra mais antiga ), dess “mulher jo- vem”, hên “criança”, laes “bêbe”, gwenn “donzela, menina”. O termo para um “povo” (um grupo étnico) é gwaith, mas com referência a grupos menos civilizados (tais como orcs e a maioria dos homens não-Edain), os Sindar usavam de preferência a palavra hoth “horda”.

A FAMÍLIA: herven “marido”, herves “esposa” (também bess, mas esta palavra também adquiriu o sentido geral de “mulher”), dîs “noiva”, adar “pai” (ada = *”papai”?), naneth “mãe” (nana = *”mamãe”), iôn ou ionn “filho”, sell (e iell) “filha”, muindor “irmão” (também a forma poética tôr), muinthel “irmã” (também thêl), gwanunig “gêmeo” (gwanûn “par de gême- os”; PM: 365 também dá um pl. gwenyn “gêmeos”). Além das palavras para “irmão” listadas acima, há também gwador “irmão jurado, companheiro” (a forma fem. parece ser gwathel, listada “irmã, companheira”). Termo geral gwanur “parente, parenta”. Cf. também herth “família” (também significando “tropa”).

ANIMAIS: palavra geral lavan (não usada para insetos ou répteis), annabon “elefante”, aras “veado, cervo”, brôg “urso” (também chamado megli = “comedor de mel”), cabor “sapo”, draug ou garaf “lobo” (gaur “lobisomem”), gwilwileth “borboleta”, half “concha”, “cão”, lyg “cobra”, lim “peixe”, lhûg “verme, dragão” (também a forma mais longa amlug; cf. também limlug “serpente marinha”), maew “gaivota” (também o pl. my^l “gaivotas”, sg. não atestado), nâr “rato”, raw “leão”, ry^n “cão de caça”, roch “cavalo”. Pássaros: aew ou fileg “(pequeno) pássaro”, alph “cisne” (pl. eilph), corch “corvo” (também *craban, pl. crebain em SdA1/II cap. 3), cugu “pombo”, emlin um pássaro amarelo, heledir “martim-pescador”, dúlin “rouxinol” (forma arcaica tinúviel), tavor “pica-pau”, thoron “águia”, tuilinn “andorinha”.

PLANTAS: salch “grama” (thâr “grama dura”), salab “herva”, uil “alga marinha”, lass “folha”, golf “ramo, galho”, loth “flor”, gwaloth “flor (de árvore), várias flores”, ereg ou êg “espinho”, aeglos ‘espinho de neve’, uma planta como o tojo, mas mais larga e com flores brancas, alfirin certa flor (branca?) também conhecida como uilos (chamada simbelmynë ou “sempre-em-mente” em inglês antigo representando o rohirric; alfirin e uilos significam “imortal” e “sempre-branca”), athelas “folha-do-rei”, elanor ‘estrela-do-sol’ (uma flor), niphredil “fura-neve”, seregon “sangue de pedra”, hwand “esponja, fungo”. Árvores: galadh “árvore” (outra palavra, orn, saiu do uso comum mas sobreviveu na poesia e como parte de muitos nomes), toss “árvore rasteira” (tais como bordo, espinheiro, abrunheiro, azevinho etc.), brethil “faia”, doron “carvalho”, ereg ou eregdos “azevinho”, lalwen ou lalorn “olmo”, mallorn ‘árvore amarela’, mallorn, tathar “salgueiro”, thaun (thôn) “pinheiro”, tulus “choupo, álamo”.

METAIS, SUBSTÂNCIAS, ELEMENTOS: tinc ou raud “metal”,malt (e glaur) “ouro”, celeb “prata”, ang “ferro”, cef “tarra, solo”, nen “água”, naur “chama, fogo”, gwelw “ar”, sarn “pedra” (como material), gloss “neve”, heleg “gelo”, lith “areia”, ast “pó”, rhaw “carne”, sereg ou iâr “sangue”, hele “vidro”, taw “lã”, falf “espuma”.

PARTES DO CORPO: dôl ou dol “cabeça”, hen “olho” (cf. Amon Hen “Colina da Visão” no SdA – o Etimologiashên com uma vogal longa, mas em outro lugar, hên é listada “criança”), nîf “face, rosto” (também thîr), laws “cabelo”, fîn “fio de cabelo”, finn “um cacho”, lhewig “orelha” (lhaw “par de orelhas”), nem “nariz”, nêl ou neleg “dente”, lam ou lam “língua”, fang “barba”, iaeth “pescoço”, lanc “garganta”, hûn “coração”, ranc “braço”, cam “mão” (camland “palma da mão”), paur “punho”, lebed “dedo”, tâl “pé” (mas uma pata de animal é chamada pôd), tellen “sola do pé”.

ALGUNS TÍTULOS E PROFISSÕES: aran “rei”, rîs “rainha” (cf. também rien, rîn “senhora coroada”), cunn “príncipe”, hîr “senhor, mestre” (outra palavra para “senhor” é brannon), hiril “senhora” (também brennil, a contraparte fem. da palavra masc. brannon assim como hiril corresponde à palavra masc. hîr), arphen “um nobre”, ithron (ou curunir) “mago”, condir “prefeito”, rochben “cavaleiro”, ceredir “artesão”, thavron “carpinteiro, artífice, construtor”, orodben “alpinista, monteiro”, pethron “narrador”, cennan “oleiro”.

COMIDA: aes “comida cozida, carne”, bast “pão”, saw “suco”, peich “caldo, xarope”, glî “mel”, iau “milho”, solch “raiz comestível”, miruvor o licor de Imladris (evidentemente assim chamado por causa do nome em quenya miruvórë), cram bolo de farinha comprimida (freqüentemente contendo mel ou leite) usado em viagens longas, lembas o pão de viagem dos elfos.

TERMOS GEOGRÁFICOS: dôr (dor) “terra”, gardh “reino, um lugar mais ou menos delimitado ou definido, uma região” (assim em WJ: 402; o Etimologias possui ardh), sad “lugar, local”, rain “fronteira”, parth “campo”, pel “campo cercado” (pl. peli), orod “montanha” (pl. ered ou eryd), till e rass “chifre”, amon “colina” (pl. emyn), tunn “colina, monte”, dol ou dôl “colina”, penn “declividade”, ambenn “ladeira acima”, dadbenn “ladeira abaixo”, talad “um declive, encosta”, cîl “fenda”, ris ou ress “ravina”, iau “ravina, desfiladeiro, golfo” (esta palavra também significa “milho”; veja acima), talf “campo plano”, nan “vale” (mas nann “gramado amplo”), tum “vale profundo, sob ou entre colinas”, athrad “vau, passagem”, eryn “bosque”, taur “floresta enorme”, men “estrada”, ael “lagoa, lago” (pl. aelin), lîn “poço, lagoa”, eithel “fonte, nascente de água”, habad “costa”, sîr “rio” (em alguns nomes também duin: Anduin, Baranduin, Esgalduin), hûb ou hobas “porto” (também cirban), gaear (ou gaer) “mar”, toll “ilha”. Direções: Forod “norte”, Harad “sul”, Annûn “oeste”, Amrûn “leste”. Para “leste” e “oeste”, as palavras rhûn e dûn também são usadas (cf. Dúnedain “homem do oeste”).

CLIMA: gwaew “vento”, alagos “vendaval”, hîth “bruma cinzenta”, mith “bruma branca, névoa úmida”, faun “nuvem”, glawar “luz do sol”, ross “chuva”, verbo eil “está chovendo” (ler provavelmente ail no estilo de sindarin do SdA).

OBJETOS CELESTES: Anor “sol”, Ithil “lua” (também chamada Rân), cúran “lua crescente”, gil “estrela” (também tim, tinw “pequena estrela, centelha”), forma poética êl “estrela” (pl. elin), elenath “hoste estrelada, todas as estelas do céu”. Borgil, nome de uma estrela vermelha, talvez Betelgeuse ou Algol. Constelações: Menelvagor = Órion, Cerch iMbelain (em quenya, Valacirca) “Foice dos Valar” = Ursa Maior, Remmirath = Plêiades (???). Palavra geral para “céu, os céus”: menel (tirada do quenya).

MÚSICA, POESIA, INSTRUMENTOS, MÚSICOS: glinn “canção, melodia”, glîr “canção, poema, balada”, glaer “balada, poema narrativo”, narn “conto” (em verso, mas para ser falado ao invés de cantado), verbo *gliri– “cantar” (traduzida errada como “glin” em LR: 359), verbo gannado ou ganno “tocar uma harpa”, substantivo gannel “harpa”, talagand “harpista”, verbo nella– “soar sinos”, nell “sino”. Alguns modos de versos são nomeados no corpus, ann-thennath e minlamad thent/estent, mas não sabemos precisamente o que significam.

GUERRA E ARMAMENTO: auth “guerra”, verbo dagro– “batalhar, guerrear”, verbo maetha– “lutar”, verbo degi– “matar, assassinar” (pretérito talvez *danc), dangen “morto” (como substantivo), maethor “guerreiro”, herth “tropa” (também usada para “família”), gweth “tropa de homens fortes, hoste, regimento”, coth “inimigo, inimizade”, dagor “batalha” (mas uma luta entre dois ou alguns é chamada maeth), hûl “grito de encorajamento em batalha”, megil ou magol “espada”, lang “sabre, espada”, crist “cutelo, espada”, hathel “espada larga”, sigil “adaga, faca”, grond “clava”, e peng “arco”, ech “lança”, naith ou aith “ponta de lança”, thôl “elmo”.

ARQUITETURA: adab “edificação, casa” (pl. edeb), car ou cardh “casa”, henneth “janela”, annon “grande portão”, fenn “soleira”, thâm “salão”, thamas “grande salão”, panas ou talaf “chão, assoalho”, ram “muralha”, tobas “telhado”, telu “abó- bada, cúpula”, rond “teto abobadado ou arqueado, ou um grande salão ou câmara assim coberto”, barad, minas e mindon “torre”, ost “cidade, cidade com muralha ao redor, fortaleza”, gobel “vila ou casa murada, cidade”, caras “cidade construída acima do solo”, othlon “caminho pavimentado”, ostrad “rua” (em Minas Tirith também rath, ver CI: 481).

TEMPO: “uma época, ocasião”, erin “dia”, arad “um dia, dia claro”, daw “obscuridade, noite” (fuin “silêncio da noite, penumbra”), amrûn “nascer do sol” (também usado = “oriente, leste”), aur “dia, manhã”, thin (palavra poética) “entardecer”, “anoitecer, tarde da noite”, tinnu “crepúsculo estrelado, início da noite”, idhrin “ano”, anrand “ciclo, era”. Estações: echuir “agitação” (início da primavera), ethuil *”florescer” (final da primavera), laer “verão”, iavas “colheita” (início do outono), firith “dissipação” (final do outono), rhîw “inverno”. Para “outono”, a palavra narbeleth “sol esvanecente” também é usada; esta palavra também é usada com referência ao mês de outubro. Lista completa dos meses: Narwain “janeiro”, Nínui “fevereiro”, Gwaeron “março”, Gwirith “abril”, Lothron “maio”, Nórui “junho”, Cerveth “julho”, Urui “agosto”, Ivanneth “setembro”, Narbeleth “outubro”, Hithui “novembro”, Girithron “dezembro”.

NÚMEROS: min 1, tad ou tâd 2, neled 3 (originalmente neledh), canad 4, leben 5, eneg 6, odo ou odog 7, toloth 8, neder 9, caer 10. Para 11 e 12 temos os radicais primitivos MINIK-W- e RÁSAT , mas as palavras em sindarin não são dadas; “onze” pode ser *minib ou possivelmente *minig (quenya minquë, cf. eneg = enquë). Uma “grosa”, 144, o primeiro número de três dígitos no sistema de contagem duodecimal élfico, é em sindarin chamado host.

CORES: baran “marrom (escuro)” (cf. o rio Baranduin), calen “verde” (também laeg), caran “vermelho” (também coll e narw/naru), crann “avermelhado”, donn “moreno”, fein “branco” (como nuvens; lido talvez fain no estilo de sindarin do SdA), gaer “cúpreo (cor de cobre)”, elw “azul claro”, *glân “branco” (apenas a forma lenizada ‘lân é atestada), gloss “branco como a neve” (também o substantivo “neve”), luin “azul”, malen “amarelo”, mithren “cinza”, morn “preto, escuro” (traduzido errado como “moru” em LR: 374), nim “branco, claro”, rhosc “marrom”, thinn “cinza”.

ALGUNS ADJETIVOS COMUNS: bein “lindo, belo”, mell “querido, amado”, maer “útil, bom” (de coisas), um “mau”, *faeg “ruim, perverso”, *raeg “errado” (atualizado da palavra em “noldorin” foeg, rhoeg em LR: 387, 383), orchal “alto, superior”, ann “longo”, thent “curto”, beleg “forte”, ûr “amplo”, daer “grande”, tithen e pigen “pequenino”, parch “seco”, mesc “molhado”, ninn “delgado”, tûg “grosso, gordo”, long “pesado”, pant “cheio”, lost “vazio” (também caun), laug “quen- te”, ring “frio”, feir “direito”, heir “esquerdo”, taer “reto”, raen “curvo, torto”, sein “novo”, brûn “velho” (mas não but not transformado ou usado), gern “velho, usado” (de coisas), neth “jovem”, iaur “velho, antigo” (de coisas ou pessoas), ingem “velho” (lit. “doente pelos anos”, sofrendo de idade avançada; esta palavra foi criada após os elfos encontrarem os homens mortais), cuin “vivo”, gwann “falecido, morto”. (Nota: no estilo de sindarin do SdA, talvez devessemos ler ai para ei nos adjetivos bein, feir, heir, sein.)

ALGUNS VERBOS COMUNS: car– “criar, fazer” (pret. agor), gar– “segurar, ter”, tiri– “observar”, ?glenna– “ir” (anglenna– “aproximar”), medi “comer”, mudo– “trabalhar”, teli– “vir” (presente tûl, tôl), ped– “falar”, anno– “dar”.

PREPOSIÇÕES: adel “atrás, na traseira de”, am “em cima”, an “para, a”, ab “depois, após” (atestada apenas como prefixo), ath– prefixo “através de, em ambos os lados”, athan “além”, dad “embaixo”, dan *”contra”, o “de, a partir de” (uin “desde”), im “entre”, na “para, com, por”, nef “neste lado de”, no “sob” (nui “debaixo de”), or “acima”, tri “através”. Carecemos de palavras para “em” e “antes”. A palavra ned que ocorre em Sauron Defeated (pág. 131, em escrita Tengwar) tem sido usada por alguns para “em”.

3 opiniões sobre “Um gosto de Élfico”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um site Valinor